09 de Dezembro de 2010
O meu sonho é único. O meu sonho é simples. O meu sonho é essencialmente o que descrevo até para uma competição:

"All my life I have been in pursuit of a dream: To explore, capture and feel as much as I can of every inch of this planet and share such experiences with everyone in it."

Quando digo percorrer cada milímetro do planeta, é isso mesmo que pretendo fazer. Apesar de saber que é impossível dado o tempo de vida normal para qualquer ser humano. Acontece que enquanto tiver energia para tentar correr atrás deste ideal, assim o farei até não poder mais.


Ser simples e directa desta forma acaba por se tornar complexo a todos os níveis, uma pessoa pode ser mal interpretada por todas as razões erradas, o que às vezes se pode traduzir de forma até engraçada, estejamos nós com a disposição para tal.


Enquanto criança, e mais tarde adolescente, desejava mais do que tudo ser independente, responsável pelos meus actos e capaz de suportar as consequências, sustentar-me a mim própria a cada passo que desse.
Atingi este patamar. Passo a passo. Muito estudo e muito trabalho estiveram envolvidos neste percurso. Muito suor e também muitas lágrimas. Mas também muitas alegrias e sorrisos.


Assim que comecei a ganhar o meu próprio dinheiro, duas coisas começaram a falar mais alto do que nunca na minha cabeça: arranjar o meu próprio apartamento / lugar para viver antes dos 30, ir mais longe nas minhas viagens e realmente mergulhar no mundo para aprender sobre culturas, espécies, vivê-las, senti-las, olhar as paisagens, estar realmente lá.


Assim comecei a fazer. E tenho atingido estes objectivos também.


Sozinha? Não se deve dizer nunca. Passou-me pela cabeça milhentas vezes nas mais variadas ocasiões. Mas facto é que comecei a levar comigo os meus próprios cadernos nas viagens, comecei a escrever, tomar notas, fazer fotografias, procurar formas de melhorar... para quê? Para as partilhar.

A capacidade de partilhar estas coisas é o que faz com que elas valham a pena, é o que lhes traz valor e significado.


Não podemos melhorar se não tivermos contacto com outros que possam fazer-nos saber o que é bom ou mau, certo ou errado de acordo com a sua própria perspectiva.


Em suma, ser criticado(a).


Se as outras pessoas não gostarem do que fazemos nem participarem activamente... nunca seremos grandemente apreciados.


Não podemos dizer em qualquer instante que somos os melhores a fazer algo. Ser o melhor não só é temporário mas depende sempre da quantidade de pessoas que na verdade partilham dessa ideia ou têm o mesmo entendimento.

Recentemente na minha vida entrei numa competição. Não é a primeira vez, nem posso dizer que alguma vez tenha ganho alguma coisa (muito menos de forma fácil), mas traz sempre algo interessante, novo e refrescante e no fim acredito sempre que ganhei independentemtente de tudo o resto.

Esta competição é sobre tornar-me blogger oficial de uma expedição ao Pólo Norte.


Poderia enumerar mais que muitas razões pelas quais quero lá estar, vou percorrer algumas sem nenhuma ordem de interesse ou prioridade em particular:
  • É um lugar no planeta que sei que não é fácil de atingir para visitar
  • Descendendo de um povo dedicado às descobertas pelo mundo, esta é uma oportunidade única de dar o meu próprio contributo e perspectiva a esta sede pelo desconhecido já que sei que nenhum português alguma vez esteve neste lugar
  • Estar em contacto com algo que é sagrado e praticamente intocado, rechado de creaturas igualmente sagradas como o urso polar. Isto é raro.

    Talvez não suceda durante o meu tempo de vida, mas até quando conseguirá o ser humano contribuir para preservar o ambiente de forma a que criaturas destas não sejam extintas como tantas outras que já o foram por culpa nossa neste planeta?

    Será que toda a gente tem consciência de que tudo na Terra está a mudar e que talvez, TALVEZ devêssemos abrandar um pouco e desfrutar mais ao invés de aumentar a pressão e acelerar em direcção à destruição de tudo o que existe e conhecemos?
  • Partilhar tudo isto com o resto do mundo dá-nos a todos uma oportunidade de não só desfrutar mas também de reflectir, pensar seriamente e decidir como avançar no futuro. Como tornar esse futuro e o planeta melhor não só para nós próprios mas para toda a gente.

    Enquanto fizermos isso já estamos a abrandar mantendo o foco no que é mais importante.

 

Como disse: muitas afirmações podem ser feitas sobre o que me motiva e o quanto me preocupo.


O que pretendo é torná-las claras à medida que avanço no caminho e não, isto não é publicidade nem propaganda eleitoral.


Entrei na competição para agir no sentido de concretizar um sonho, não para publicidade de qualquer espécie. E esse sonho tem muito pouco de egoísta ou individualista como poderão ter averiguado pelo que acabei de dizer.


Se tiver de usar alguma publicidade como um meio para lá chegar, tomarei isso em consideração. Dentro do que eu considerar que são os limites razoáveis.


Este meu sonho está recheado das 3 actividades que mais gosto: viajar, escrever e fotografar. E para acompanhar, uma quarta: ouvir a música que me fará companhia. Seja ela composta por sons da natureza ou por outros humanos.

Pode também e muito bem ser o ponto de viragem na minha vida inteira. o ponto de partida para também me aproximar mais do que gostaria de fazer a um nível profissional. No mínimo trará motivação para continuar o caminho e crescer.


O mais razoável e simples de fazer é apelar à família, amigos, colegas... e aqui também tenho noção de que isto não é suficiente. Afinal de contas é uma competição.


Mas mais do que isso, para crescer nas actividades que adoro preciso também de um leque variado de opiniões e perspectivas, algo que também já referi. Assim sendo, esta é na realidade uma coincidência espectacular e posso chamá-la mesmo de parceria :)


Independentemente do que muitas pessoas possam pensar (e já senti isso na pele muitas vezes), não vou em busca de contactos apenas no interesse de arranjar votos.


Torno muito claro nos convites o que pretendo.


Lembrem-se: há limites razoáveis.


Lembrem-se ainda: buscar concretização de sonhos e crenças pessoais e agarrar o que e quem amamos é fundamental para a existência ter significado.


Nem sempre sou bem sucedida, mas ao menos tento. Não fico parada apenas a criticar e julgar os outros.
publicado por pintolaranja às 11:21

Levem o Pinto Laranja ao Pólo Norte!


Votem entrando aqui (login com facebook ou e-mail) e clicando "vote for this entry"

Mais sobre esta aventura
pesquisar
 
arquivos
2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


arquivos
2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

3 seguidores
blogs SAPO
Google Analytics